4 de abril de 2009

Você apoia a mediocridade gospel?


Diariamente aparece na mídia algum artista afirmando ter se convertido ao Evangelho. em seguida ao anúncio da conversão vem o anúncio do redirecionamento da carreira artística para o segmento "gospel". Feito isso aparece uma orda de pessoas apoiando o novo trabalho e divulgando exautivamente o dito artista. Até aí tudo bem. O grande problema é que geralmente se tratam de artístas medíocres.

Antes de analizar a qualidade do trabalho dos irmãos, paro para pensar sobre a forma de divulgação adotada. É um tal de "ex-isso" e "ex-aquilo" que chega a me dar ânsia de vômito. Porque, sinceramente, se a pessoa se converteu não há motivo para a insistencia em carregar a alcunha de sua carreia dita secular para seu novo "ministério"? Não consigo enxergar o que há de novo na vida de uma criatura que quer basear sua vida cristã em títulos e honrarias trazidas de um período anterior à sua conversão.

Longe de mim ser contra as pessoas usarem seus talentos a favor da Igreja. Só não suporto quando fazem a propaganda de seu nem sempre novo trabalho baseada naquilo que tanto dizem ter deixado para trás. E ainda oferecem um trabalho sem nenhuma qualidade, como se o povo cristão fosse um submercado cultural.

Só tenho uma coisa a dizer: se quer contribuir com a Igreja, que seja com a nova criatura que passou a ser, e não pelo fato de ser ex-alguma coisa.

E por favor, que venha com algo de qualidade, porque eu não apoio a mediocridade. Seja ela secular ou "gospel".


Martins

Pingar o BlogBlogs

20 comentários:

  1. Apoiado! Mas, é muito difícil que se produza algo bom no mercado góspel.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. É verdade meu irmão! Não precisamos ser "ex-nada"

    Cristo já fez expiação por nós e agora devemos andar em novidade de vida. Claro, que em determinadas vezes nosso testemunho possa edificar vidas, mas não no sentido da mediocridade mercenária!

    Deus te abençoe...

    ResponderExcluir
  3. Tem muito ex-tudo hoje em dia, mas tem muita coisa boa rolando... e de qualidade. Pena que a quantidade de artistas que surgem para se promover as custar da "crentaiada" é maior... cabe a nós saber separa o joio do trigo!

    ResponderExcluir
  4. Wil,
    Penso que o grande problema não é a dificuldade de ser produzir algo bom, mas a facilidade que o povo tem de aceitar qualquer porcaria.

    Michele,
    Concordo com você, mas acho que entre o testemunho e a auto promoção exista uma longa distância.

    Rodrigo,
    O problema nem é a quantidade de coisas ruins ser maior, mas o povo simplismente apoiar qualquer coisa que se diz gospel, sem ter o mínimo de senso crítico. Para muitos, se a emissora de rádio tocou quer dizer que é bom.

    ResponderExcluir
  5. .
    Graça e paz vos sejam multiplicadas, irmão Martins.

    Sem dúvida, seu texto traz a luz da verdade dos produtos que são oferecidos pelo mercado gospel.

    A "conversão" dos ditos artistas(?????), em sua grande maioria, nada mais é que, mais uma estratégia de marketing pessoal, muitos se aproximam do meio "evangélico" sem contudo ter tido um real encontro com Jesus, jamais tiveram a real intenção de fazer parte deste meio (se bem que ser como alguns evangélicos está muito aquém de uma vida verdadeiramente cristã!).

    A mídia nos mostra a cada dia, um "ex" que voltou a suas origens...

    Fraternalmente.

    James.
    Jesus, o maior Amor
    Comunidade "Adoradores em Casas"
    ...
    ..
    .

    ResponderExcluir
  6. Meu caro James,
    Como um grande amigo meu disse ontem: "temos que viver a simplicidade do evangelho". Porque, sinceramente, esse show business que estamos vivendo está nos afastando a cada dia do cristianismo que deveriamos viver.

    ResponderExcluir
  7. É muito difícil julgarmos a conversão verdadeira de qualquer pessoa. Em vez de cristicar, prefiro me identificar mais com este ou com aquele.
    Se pensarmos que a grande maioria da população brasileira [inclusive a cristã] não sabe reconhecer e nem apreciar uma boa música, não é de se espantar o sucesso que fazem artistas medíocres em qualquer segmento [cristão ou secular].

    ResponderExcluir
  8. Dini Kelly,
    Concordo plenamente com sua análise sobre a percepção cultural da maioria populacional em nosso país, e é por isso que sou contra a mediocridade em qualquer área.
    Porém não consigo me conformar. Não consigo simplismente me identificar com alguns e deixar de lado o empbrecimento cultural no qual estamos mergulhando. Não posso simplismente me calar.
    E fico ainda mais indignado quando vejo a mediocridade ser tratada com pompas de grande trabalho. Quando vejo igrejas gastando milhares de reais para movimentar toda essa baboseira. Dinheiro que poderia ser gasto com pessoas realmente necessitadas, é gasto para financiar a mediocridade artística que ousam chamar de ministério.
    Não sou contra ninguém viver de seu trabalho artístico, mas sou contra usarem o evangelho como muleta para um trabalho sem qualidade.
    Não quero julgar a sinceridade da conversão de ninguém. Mas não consigo entender o uso dessa conversão como simples tramplim para um novo mercado.
    Nos perdemos da simplicidade que Jesus nos ensinou a viver. E diante disso, não posso simplismente me calar.

    ResponderExcluir
  9. É dureza!
    Pode parecer estranho, mas gosto muito do testemunho do ex-isso, ex-aquilo, ex-aquilo outro... dá-me a sensação de que Deus age, faz, realiza. Sinto a segurança de um Deus que continua agindo, isso na verdade pra mim não é problema, agora...
    o testemunho diário da pessoa é que são elas, o ser "ex" para sempre que essa pessoa terá que testemunhar que não será (é) fácil, por que ela ( a pessoa) trouxe a público, nós, os sem fama, é que levamos na "flauta" ( com exceções), nem nos importamos muitas vezes com nosso testemunho de ex e de nova criatura, mas gostamos mesmo é de colocar um jugo bem pesado no cangote do outro por que ele foi ‘muito’ pecador, agora vai ter que se lascar e dar um testemunho impecável, a história do venha “como está” é só para os pecadores de dentro da igreja e que só cometeram ‘pecadinhos’(affs!).
    Ficou pesado o que eu disse, mas só estou colocando meus pensamentos aqui e o ‘danado’ do “achômetro”, já que ele está ligado vou aproveitar e “achar” um pouco mais... também penso (acho) que essa ‘mediocridade’ que anda por aí, não é só de cantor, artista ou outra celebridade qualquer, há pastores, missionários, irmãos numa mediocridade só, e mais, ainda acho que eles fazem muito mais mal do que aqueles cantando as baboseiras.
    Lembrei-me agora daquela adivinha que por um tempo andou no meio dos apóstolos, até que Paulo ficou sem paciência e expulsou o espírito adivinho dela, por isso ‘acho’ que hora que esse ‘povo’ sem conteúdo tirar a paciência do povo de Deus à situação será transformada, e lá vem um ex-alguma coisa! E ciclo continua.
    Mas realmente dá uma canseira, no entanto continuemos nossa tarefa, façamos abundar as coisas de “alta qualidade” de Deus sobrepujar as baboseiras.

    ResponderExcluir
  10. Janise,
    Quando a alcunha de ex-algumacoisa se revela como testemunho, acho realmente válido. Mas quando se torna um título, considereo detestável.
    Quanto ao testemunho diário: está coberta de razão, é esse que diz que tipo de cristão somos.
    E a mediocridade realmente está incrustada não só na igreja mas na sociedde contemporânea como um todo. Cabe a nós mudar isso.

    ResponderExcluir
  11. Assino em baixo.

    Acabam por ficar no superficial.
    Proporcionando letras de músicas fracas e razas.

    Assim como eram antes de ser "ex".

    ResponderExcluir
  12. Talita,
    E eu assino embaixo do que você disse. É como li em um dos livros que estou lendo: "A música cristã contemporânea se caracteriza fortemente pela religiosidade explicita e não por sentimentos do seu autor". E isso faz com que ela se torne vazia, pois deixa de ser um meio para expressão e passa a ser um fim. "A MMC geralmente nasce de uma conclusão ao invés de partir para uma, e isso faz com que ela não traga nenhuma surpresa, nem mesmo para o autor.

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pelo post e pelo blog!!!

    Escrevi algo sobre perfeição no meu blog, vou deixar aqui um convite para vc visita - lo:

    http://bjardim.blogspot.com/2009/03/fazendo-o-melhor.html

    Abração !!!

    ResponderExcluir
  14. matéria oportuna e atual,mas discordo que tal mediocridade seje só dos que estão chegando,e os que já estão e s encontrão contaminados,a biblia diz que é o fermento velho que estraga toda á massa quem chegado tá encontrando ensinamentos apodrecidos,alimentação fraca e dicipulado negrigente;é necessário dar nomes aos bois tais como:aline barros,cassiane,fernanda brum e tantos outros,paulo não teria dificuldades em faze-lo mas nós apelamos logo por um tal de anti-ético não existênte na biblia ficam tentando um protejer o outro isso se chama falta de maturidade espiritual quem poder e tiver coragem defenda o evagélio com toda a sua força e entendimento só serão banido do nosso meio não os pecedores mas suas mazelas e pecados que ferem á Deus!!!.

    ResponderExcluir
  15. O grande problema estar na intenção.A pessoa está usando o "ex" para chamar a atenção e se autopromover?Isso é verdadeiramente reprovável.
    Mas é bem difícil analisarmos o interior das pessoas.
    Mas concordo que o uso para se promover é errado.
    Um abraço,
    Agnaldo - http://despertaigreja.com

    ResponderExcluir
  16. é verdade que hoje tem muito "ex" isso isso "ex"aquilo mas não se pode também achar que deus não opera que não faz milagres muitos são transformados SIM mas muitos pelo que ja presenciei estão meio que falando de uma coisa sobre o qual não conhecem a fundo falar ministrar a deus é muito mais que levantar a mão pro céu gritar que é livre \o/ muitos artistas aparecem na televisão (NÃO POR QUE DEUS ME TRANSFORMOU) ai quando é depois vejo em um trio eletrico sinceramente não entendo...não louvando a deus !!!!MAIS DE TI - DE MIM !!

    ResponderExcluir
  17. Pois é, a palavra é MERCADO GOSPEL. Quando vira mercado fica mais fácil de entender determinadas coisas... Sem julgamentos de conversão ou não conversão, mas, "mercados" tem suas transitoriedades, suas mudanças, seu pontos altos e baixos, falências e sucessos. Em se tratando de mercado não vejo nenhuma incoerência. O problema é que cristianismo virou mercadoria mesmo (!!!).

    ResponderExcluir
  18. Na realidade esseS chamados ex isso ou aquilo acabam trazendo consigo um montante de lixos do passado que as pessoas por falta de sabedoria ou por quererem se promover em cima disso não deixam de os lembrar, o que faz com que sua vida cristã seja superficial o que muitas vezes os leva ao desânimo, e lhes causa tristeza muitas vezeS nem eles sabem o porque está triste ou deprimido esse estado significa (tristeza profunda) que é resultado de um passado não esquecido, não tratado que deve ser colocado no altar do Senhor pedindo a libertação de tudo que lhe causa tal dor ou tristeza, não devemos trazer conosco o lixo do passado mas entregá-lo no altar do Senhor. Como na reconstrução dos muros de Jerusalém tirar o lixo, sem a retirada do lixo não tem como haver restauração, o lixo está em cima do alicerce o cobrindo é um peso enorme, então devemos tirá-lo não é fácil mas pro Senhor não existe impossível que cada um de nós possamos compreender essa maravilha e querer viver uma vida que agrada o Senhor nosso Deus.Amém!
    "PORQUE A TRISTEZA SEGUNDO DEUS OPERA ARREPENDIMENTO PARA A SALVAÇÃO, DA QUAL NINGUÉM SE ARREPENDE; MAS A TRISTEZA DO MUNDO OPERA MORTE." 2CORINTIOS 7:10

    ResponderExcluir
  19. Agnaldo,
    Auto-promoção é sempre ruim. E, sinceramente, não tenho muita paciência pra ninguém que se escora em títulos.

    Claudiana,
    Não questiono o que Deus pode fazer, apenas observo aquilo de que as pessoas são capazes.

    Letícia,
    A incoerência está exatamente no fato de ser um mercado.

    Renata,
    A consequencia disso é um sem numero de pessoas pregando por aí sem nenhuma base de conhecimento, ancoradas apenas em seu nome e fama.

    ResponderExcluir
  20. Stephen Baldwin se converteu ao Evangelho(ele ñ é mediocre)
    um dos integrantes do Korn,se converteu(não sei se era o guitarrista ou o baixista ele ñ é mediocre)
    um dos integrantes dos Raimundos tbm!
    o q faz o homem mediocre ñ é ele ser cristão ou não,e sim ter medo de usar a capacidade q lhe foi dada!
    há pouca originalidade no meio cristão,principalmente no Brasil.
    já notaram q os crentes brasileiros falam do mesmo jeito ,se utilizando de jargões,cantam as mesmas músicas líricas há um século,até os pastores raramente ñ pregam de terno(herança deixada pelos saxões(ingleses e americanos)
    estilo das igrejas são do mesmo "naipe" que os americanos,ñ existi indentidade cultural no gospel.
    só o mercado.
    dizer que é muito...como é mesmo..."ungido" porq lota estagios e igrejas,"impactando vidas"(espero q seja o termo correto),"colhendo almas para Jesus"( a idéia q eu tenho de um coletor de almas è diferente)
    a maioria desses fulaninhos numca olhou nos olhos de um mendigo,mumca visitaram uma criança com cancer e não pretendem fazê-lo.
    para muitos a música gospel é a única q deve ser ouvida e cantada,o q é depreciar a capacidade artistica dada á nós.
    o louvor é algo que deve vir do coração ,independente de ser música ou não,esta sim é a adoração q agrada á Deus!
    ou seja,cantores cristãos não devem necessariamente cantar gospel.
    um adorador ñ precisa ser um cantor.
    se quer converter pessoas através da música, faça,porém,seja criativo.
    até os mercenários do meio,quase numca são
    criativos,quando arriscam são patéticos.
    quer ser um artista e adorador ao mesmo tempo?
    então coloque sua alma nisso!
    por Deus...e por nós humildes criaturas do Senhor tbm.

    ResponderExcluir

Mostre o que se passa por sua cabeça. Comente.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...