29 de junho de 2013

Compartilhando conhecimento

Abaixo temos o link para o texto que escrevi para o Massacrente que trata sobre a maneira como nos devemos portar com relação ao anunciar o evangelho de maneira mais sabia

http://www.massacrente.com.br/compartilhando-novos-conhecimentos/

26 de janeiro de 2013

Quem canta nem sempre encanta?


Esta semana, vi o vídeo no Youtube da música Agnus Dei na versão produzida pela dupla sertaneja Rick e Renner. A princípio, eu não vi nenhum problema, pois, seria mais uma versão de uma música que tantos outros cantores go$pel já regravaram, porém lembrei-me que essa dupla até onde conheço não estão inserida no meio go$pel. Daí surgiu-me um pensamento, uma verdade perde seu valor mesmo sendo dita e/ou cantada por um “ímpio”?

Há muito tempo, eu tenho classificado às músicas que ouço da seguinte maneira: Boa ou ruim, diferentemente do que se tem pregado no meio evangélico. As canções evangélicas são simplesmente classificadas como aptas para serem ouvidas, se tiverem o rotulo que o cantor tenha assumido ser crente. É um critério falho, visto que o que realmente importa é o conteúdo da letra.

Se a letra da música fala dos valores do reino, o porquê não escutar? Se a música não fere nenhum princípio bíblico, o porquê deixar de ouvir? A reposta para muitos crentes é simples e está na ponta da língua: Por que o cantor não é Cristão. Em minha opinião, isso é uma babaquíce gigante, por que, quem conhece a vida do cantor intitulado “go$pel” para julgar se ele é cristão ou não?

Eu poderia citar uma duzia de músicas ditas evangélicas que não estão conforme o evangelho e em contrapartida posso classificar dezenas de músicas conhecidas como mundanas, que estão próximas àquilo que realmente importa, que são os valores do reino.

A música go$pel atualmente tem sido tão egoísta e triunfalista, que tem esquecido o arrependimento, mudança de comportamento e do amor ao próximo. São chuvas de bênçãos, unções milagrosas, nardos, prosperidade, dentre tantos temas secundários, ou seja, são músicas voltadas para o próprio de umbigo. O mandamento de amar ao próximo como ti mesmo vai para o espaço nas canções. Cadê o incentivo a mudança do caráter? Onde está o arrependimento pelas obras da carne?

Não posso falar que todos os cantores que estão vinculados ao movimento go$pel são imprestáveis, sendo que, eu mesmo conheço músicas nesse meio que estão de acordo com as Escrituras. Também, não posso negar que nem toda música secular é maculada, todavia, existem inúmeras canções que não agridem os princípios bíblicos. Portanto, devemos não ser preconceituosos com os cantores, ao invés disso, refletir sobre a mensagem da música.

Ramon Gomes

13 de janeiro de 2013

Justificação


Justificação é um tema pelo qual os evangélicos tem feito bastante confusão. Pois, pensam que serão justificados perante Deus se forem pessoas boazinhas, darem esmolas e seguir o que o pastor diz. Contudo, estão cometendo um grave erro, a justificação não ocorre por obras, mas por fé.

A justificação é única na obra da redenção e não é um ato ou processo de renovação, como é o caso da regeneração, da conversão e da santificação.

No livro de Romanos 5:1 está escrito: “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo”. Somos justificados pela fé em Cristo, quem se entregou em nosso lugar conforme está escrito em Romanos 3:25 “Deus o ofereceu como sacrifício para propiciação mediante a fé, pelo seu sangue, demonstrando a sua justiça. Em sua tolerância, havia deixado impunes os pecados anteriormente cometidos”.

Ou seja, por nada que o individuo realize, será alcançada a sua justificação. O texto de Gálatas 2:16 descreve isso muito bem: “sabemos que o ninguém é justificado pela prática da lei, mas mediante a fé em Jesus Cristo. Assim, nós também cremos em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pela prática da lei, porque pela prática da lei ninguém será justificado”.

Alguns podem citar o texto de Tiago 2:14-26 para a justificação pelas obras, mas as obras que ele se refere estão relacionadas a o aperfeiçoamento da fé, de acordo com verso 22: “Você pode ver que tanto a fé como as suas obras estavam atuando juntas, e a fé foi aperfeiçoada pelas obras”.  Portanto, ele dá ênfase ao fato de que a fé sem obras é uma fé morta, e, consequentemente, não é, de modo algum, a fé que justifica. A fé que justifica é frutífera, produzindo boas obras.

É vulgarmente conhecida a ideia de que ser justificado consiste em não ter pecados. Mas, existe um grande erro nessa afirmação, porque mesmo sendo justificado, a nossa natureza pecaminosa não será mudada. A justificação envolve o perdão dos pecados e a restauração do pecador ao favor divino. Portanto, a justificação não está ligada a mudança de natureza, mas a sua posição perante Deus.

Enfim, a justificação remove a culpa do pecado e restaura o pecador a todos os direitos envolvidos em seu estado de filho de Deus, incluindo uma herança eterna.


15 de dezembro de 2012

Ensino via PodCast


Hoje pela manhã comecei meu dia escutando um podcast muito interessante sobre dízimo. Este podcast foi “mamilônico”, pois, ele estava recheado de polêmicas sobre este tipo de contribuição. Por este fato de ter polêmicas, pontos de vistas diferentes e discussão, me fez refletir a importância do podcast no ensino da palavra na vida do cristão.

O podcast tem na sua composição alguns ingredientes, que em minha opinião são fundamentais para prender a atenção dos ouvintes, que são os seguintes itens, porém não se limitando a tais:
- Coerência
- Humor
- Reflexão

É comum encontrar com crentes que não tem nenhum fundamento bíblico aceitável sobre as doutrinas do Evangelho. O motivo desta realidade é que o cristão está focando a busca de conhecimento apenas em pregações meia-bocas e letras de músicas go$pei$. A leitura da bíblia é indispensável, juntamente com o ato de compartilhar a experiências sobre a compreensão da palavra de Deus. Essa troca de informações está contida no conteúdo dos podcasts.

Eu encontrei nos podcasts uma fonte introdutória para as minhas pesquisas sobre as escrituras. Além disso, foi me apresentado uma maneira diferente de enxergar a vida cristã. Pois, me era empurrada goela abaixo, aquela ideia de um deus de recompensas e não um Deus de Amor.

Os bons podcasts em nosso meio cristão tem uma função tão importante, quanto qualquer pregação de domingo, por ser de fácil de encontrar, poder escutar várias vezes, terem pontos de vistas diferentes, linguagem contemporânea, instigarem a pesquisa sobre a bíblia, a facilidade de compartilhar os podcasts.

Da mesma maneira que existem bons e maus pastores, professores, programas de televisão, os podcast não estão livre deste legado, afinal são feito por seres humanos. Os podcasts que listarei em seguida são os que ouço com frequência e recomendo:

- No barquinho

- Massa Crente

 - Bibotalk

- Irmãos.com

- Crentassos

O podcast além de informar, ele pode ser usado para um bom entretenimento para o cristão, visto que, os podcasts citados acima não se limitam a somente o conteúdo cristão. No entanto, existem episódios que o assunto a serem discutidos são de coisas triviais do cotidiano.

Para crescermos, temos que buscar conhecimento de várias maneiras e reter o máximo de informações úteis para nossa vida, conforme o apostolo Paulo disse em 1 Ts 5:21: Examinai tudo. Retende o bem.

Ramon Gomes

30 de novembro de 2012

Luz para o mundo


Estava pensando sobre a passagem do livro de Mateus 5:14-16 “Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus” . Não acredito que nos (cristãos) como igreja evangélica estamos sendo luz para o mundo. Por que apesar do movimento evangélico crescer no país, a desigualdade social, violência e corrupção não diminui nas mesmas proporções que se eleva o número de crentes.

Normalmente são realizadas campanha e/ou cruzadas de fé com o intuito de alcançar favores de Deus para benefício próprio. Entretanto, o nosso chamado é para sermos luz para o próximo e não para nos mesmos. Certa vez, minha colega Cristina Medeiros disse: "Adoração é serviço", ou seja, adorar é prestar serviço a alguém, desde fazer louvor na igreja até acordar de madruga e prestar socorro ao vizinho. Enquanto o serviço é realizado o Criador está sendo adorado e ao mesmo tempo, quem serve, torna-se luz para o mundo. A única maneira de ser luz é servindo. Pois, as pessoas somente serão vistas se realizarem algo.

Ser luz para o mundo é tomar a iniciativa de realizar algo. Se a igreja não tem expressão no meio comunitário, como ela será luz para alguém? As igrejas evangélicas em sua maioria se omitem em servir a comunidade. A luz mostrada pela igreja está semelhante à de um palito de fósforo que apenas clareia e não como um holofote que ilumina.

É curioso o modo de pensar de alguns lideres sobre a consciência social, quando somente pedem um pacote de algum alimento não perecível no final do culto para uma cesta básica, pois acham que estão cumprindo o dever. Todavia, não se colocam do outro lado, o lado daqueles que a receberão. A ajuda com alimentos é importante, sendo que, não se limite a isso. As pessoas precisam muito mais do que só comida.

No livro de Mateus 22:37-39 está escrito: ”E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Quando o Mestre nos fala sobre amor ao próximo como si mesmo, ele quer dizer: se você gosta de receber coisas boas então dê coisas boas.

Não existe uma maneira padronizada para se servir. Nenhuma técnica, ou uma formula magica. Cada comunidade local tem seus próprios problemas e demandas específicas. Por exemplo, o problema social de uma cidade como Belo Horizonte é diferente da cidade de Salvador. Portanto, para ser luz em sua comunidade deverá ser pesquisado qual tipo de serviço ela necessita.

Com disse o Apostolo João em 1 João 3:16, “Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos.”, com essa afirmação se entende que a maneira de amar é dando a sua vida ao próximo assim como Cristo o fez. Assim com Jesus veio ao mundo e nos serviu, devemos seguir o seu exemplo e servir.

28 de novembro de 2012

Final de semestre


Mais um ano se passa e você repete a mesma frase: “Nossa, como o ano passou rapido!”. São tantas as coisas pra fazer, tantas coisas pra pensar, tantos status no Facebook pra curtir, tweets para retweetar, notas da faculdade pra que te quero, fatura do cartão de credito, relatório pro chefe,......... esqueci alguma coisa?

Aliás, esquecer. Opa, toquei num ponto importante. Em meio a tantas coisas que temos que fazer, que de vez em quando - será mesmo?-  a gente esquece alguma coisa pra fazer, alguma ligação, um trabalho da escola. Os motivos são muitos e as consequências as mesmas. Sempre se lembre de colocar o gato para fora quando for o último a sair de casa, sério mesmo (experiência própria).
A falta de organização, o tempo escasso, diversidade de atividades são exemplos do que nos ajuda a esquecer. A solução então: anotar no papel, no computador, no celular, etecetera. Obvio demais? Tem funcionado para várias pessoas ao meu redor.

Diante disso, entro na questão de não esquecermos um fato importante que acontece todos os anos. O feriado do dia 25. Esquecer-se dele é quase impossível, mas ignorar seu significado tem sido verdadeiro. Ei, mas quem disse que Jesus nasceu dia 25 de dezembro? Tudo bem, pode não ser esse o dia do nascimento, o que digo é para não deixarmos de agradecer, não só nesse dia como em todos os outros, que veio ao mundo o cara que abalou as estruturas e fez a maior reviravolta da história. Lembra-Lo é essencial em nossas vidas e torna nossa busca por Ele mais fácil e consequentemente teremos mais intimidade.

Jesus conhece cada um, separadamente. Acredito que nós devemos fazer o mesmo. Conhecê-Lo a cada manhã, descobrir novas sensações, sentir alegria e regozijar como outrora fizeram os homens que conhecemos na bíblia, pelo simples fato de anotá-Lo no pergaminho, na pedra e principalmente, no coração.

Ah! E eu lá ia quase esquecendo. Está chegando o tempo de festas, churrascos, pessoas mais próximas, todo mundo junto. Lembre-se de quem está por perto ou longe, e verá que isso te fará bem. Os presentes são à parte, e você poderia anotar ai pra não esquecer o meu, obrigado.




André Pimenta
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...